Bibliografia / Bibliography

 

ALMA PÁTRIA. Coincineração? Não obrigado! Alma Pátria, blog. nov. 2011.

APA. Licenciamento: incineração e coincineração de resíduos. Agência Portuguesa do Ambiente-APA. 2014.

APA. Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020. Agência Portuguesa do Ambiente-APA. 2011.

AVANTE. Coincineração contestada. Jornal Avante. 10 nov. 2005.

BRANCO, Manuel Couret; DÁLIA; Cristovão. To be seen but not to be heard: scientific rationality versus democratic rationality in the decision - making process on dangerous waste management in Portugal. Documento de Trabalho n. 2006/11, Departamento de Economia da Universidade de Évora. 2006.

CCI. Para a reflexão ambiental. Centro Científico Independente-CCI. jun. 2014.

CMS. Coincineração. CMS-Câmara Municipal de Setúbal. 2005.

CRISTÓVÃO, Dália. A participação em processos de tomada de decisão sobre gestão de resíduos industriais perigosos: a coincineração em Souselas. Dissertação de mestrado em Ecologia Humana da Universidade de Évora-UE. 2006.

DR. Processo de co-incineração em Outão com julgamento marcado. Diário da Região-DR. 21 fev. 2017.

DR. Coincineração. Diário da Região-DR. 8 jun. 2014.

EPIFÂNIO, Jorge G. F. Participação pública em processos controversos de decisão ambiental - caso de estudo da coincineração em Souselas. Dissertação de mestrado em Engenharia do Ambiente, Perfil do Ordenamento do Território e Impactes Ambientais.Faculdade de Ciências e Tecnologia-FCT da Universidade Nova de Lisboa-UNL. dez. 2012.

ESQUERDA.NET. Anulação da licença de coincineração em Souselas é “um foco de esperança”. Esquerda.net. 10 abr. 2016.

FBOMS; CESTEH/FIOCRUZ. Coincineração de resíduos em formas de cimento uma visão da justiça ambiental sobre o chamado coprocessamento. Relatório de Oficina realizada na Fundação Oswaldo Cruz. 21 ago. 2006.

FIGUEIREDO, Elisabete; FIDÉLIS, Teresa. No meu quintal não. Contributos para uma análise dos movimentos ambientais de raiz popular em Portugal (1974-1994). RCCS-Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 65. 2003.

GONÇALVES, Maria Eduarda, Imagens públicas da ciência e confiança nas instituições: os casos de Foz Côa e da coincineração. pp. 157-197. In:GONÇALVES, Maria Eduarda (org.), Os portugueses e a ciência. Lisboa: Publicações Dom Quixote. 2003.

JERÓNIMO, Helena M. Queimar a incerteza. Poder e ambiente no conflito da coincineração de resíduos industriais perigosos. Imprensa de Ciências Sociais.Instituto de Ciências Sociais-ICS daUniversidade de Lisboa-UL. 2010.

JERÓNIMO, Helena M.; GARCIA, José L. Risks, alternative knowledge strategies and democratic legitimacy: the conflict over coincineration of hazardous industrial waste in Portugal. Journal of Risk Research,v. 14, n. 8,pp.951–967. Jun. 2011.

JL. Análises da Oikos revelam nível de contaminação fecal preocupante. JL-Jornal de Leiria. 10 dez. 2009.

JÚNIOR, Afrânio G. P.; BRAGA, Ana Maria C. B. Trabalho e saúde: a atividade de queima de resíduos tóxicos em fornos de cimenteiras de Cantagalo, Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6. dez. 2009.

KIKUCHI, R.; GERARD, R. More than a decade of conflict between hazardous waste management and public resistance: a case study of NIMBY syndrome in Souselas (Portugal). Journal of Hazard Materials, dez. 2009.

LAYS, Silvia; FERNANDES, Lúcia; MEIRA, Teresa. Co-incineration in Cimpor and Secil cement kilns, Portugal. EJOLT Atlas, Projeto Environmental Justice Organisations Liabilities and Trade. 16 mar. 2015.

LUSA. Coincineração de resíduos em Souselas no Tribunal Constitucional. Público. 17 jan. 2014.

MAIA, Maria João; MOITEIRO, Ana Isabel; HORSTINK, Lanka; FARELO, Mário; ANTUNES, Rosa. Análise de um processo decisório controverso: a coincineração em Souselas. Working Papers Series. 2012.

MAPA. Os tentáculos da Secil. Jornal de Informação Crítica-MAPA. 17 jun. 2013.

MATIAS, Marisa. Não Nos Lixem, A luta contra a coincineração de resíduos industriais perigosos nos arredores de Coimbra. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.), Semear outras soluções. Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto: Afrontamento. 2004.

MATIAS, Marisa. Don´t treat us like dirt: the fight against the coincineration of dangerous industrial waste in the outskirts of Coimbra. South European Society and Politics, v. 9, n. 2, pp. 132-158. 2004.

MILANEZ, Bruno; FERNANDES, Lúcia de Oliveira; PORTO, Marcelo Firpo. A coincineração de resíduos em fornos de cimento: riscos para a saúde e o meio ambiente. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6, pp. 2143-2152. 2009.

NA. Coincineração: ambiguidades da comissão de avaliação preocupam Estarreja. Notícia de Aveiro-NA.20 jan. 1998.

NACIF, Valéria. Incineração não, contra a queima de lixo, em defesa da coleta solidária. O Passado Vivo. 2 ago. 2013.

NAVES, Filomena; COELHO, Rute. Resíduos não constituem qualquer risco e podem ser reciclados. Diário de Notícias-DN. 3 dez. 2016.

NÓBREGA, A. O processo de coincineração. Trabalho da disciplina de Fontes de Informação Sociológica. Licenciatura em Sociologia da Faculdade de Economia-FE da Universidade de Coimbra-UC. 2003.

NUNES, João Arriscado; MATIAS, Marisa. Controvérsia científica e conflitos ambientais em Portugal: o caso da coincineração de resíduos industriais perigosos. Revista Crítica de Ciências Sociais-RCCS, n. 65, pp. 129-150. 2003.

NUNES, João Arriscado; MATIAS, Marisa; COSTA, Susana. Risco, incerteza e conflitos ambientais em Portugal. V Congresso Português de Sociologia, Universidade do Minho-UM. 2004.

OIKOS. Parecer da OIKOS ao processo de coincineração de resíduos industriais em cimenteiras e ao respetivo estudo de impacte ambiental. Associação de Defesa do Ambiente e do Patrimônio da região de Leiria-OIKOS. 20 nov. 1998.

PAeM. “Não nos lixem” - recusa da coincineração em Portugal. Portugal: Ambiente em Movimento-PAeM. 30 jun. 2016.

PORTO, Marcelo Firpo de S.; FERNANDES, Lúcia de Oliveira. Understanding risks in socially vulnerable contexts: the case of waste burning in cement kilns in Brazil. Safety Science, v. 44, pp. 241-257. 2006.

PSD. Deputados do PSD do distrito de Setúbal Querem saber quantas toneladas de resíduos perigosos estão a ser queimadas na Arrábida. Rostos.pt. 13 dez. 2016.

PSR. Coordenadora nacional contra os tóxicos acusa governo de tentar impor a coincineração.PSR-Portal Setúbal na rede. 21 set. 2014.     

RAMALHO, A. Coincineração. Jornalblog A luta. mar. 2007.

RAMALHO, Vítor. Coincineração mais uma batalha ganha. PNR Coimbra, blog. 19 jan. 2014.

REIS, Vitor. Sócrates, o PS e a coincineração. -Quarta República, blog. 20 dez. 2014.

ROCHA, I., BATALHA, C., VIEIRA, D., PIMENTA, N., PORTO, I. A coincineração em Portugal. 2009.

RODRIGUES, Maria E. Ciência, Públicos e Ambiente: o discurso "científico" dos movimentos de protesto ambiental. Sociedade e Cultura n. 4, Cadernos do Noroeste, Série Sociologia, v. 18, pp. 271-292. 2002.

RTP. A luta contra a coincineração. Entrevista RTP Coimbra. RTP notícias. 31 jan. 2009.

RTP. Debate sobre incineração de resíduos industriais. Telejornal. RTP arquivo. 11 mar. 1995. [Arquivo de vídeo].

RTP2008. Autarcas estão contra co-incineração na Arrábida. Sapo vídeos. 16 jan. 2008. [Arquivo de vídeo].

RTP2009. Relançada polémica da co-incineração em Sousel. Sapo vídeos. 8 dez. 2009. [Arquivo de vídeo].

RTP2009. Tribunal suspende co-incineração em Souselas. Sapo vídeos.    14 fev. 2009. [Arquivo de vídeo].

SARAMAGO, João. Tribunal decide fim da co-incineração em Souselas. Decisão deve ser acatada no prazo de dez dias pela Cimpor. Correio da Manhã-CM. 4 de abr. 2016.

SECIL. Coincineração com segurança. Secil. nov. 2006.

SILVA, Lays; FERNANDES, Lúcia; MEIRA, Teresa. Co-incineration in Cimpor and Secil cement kilns, Portugal. EJOLT Atlas, Projeto Environmental Justice Organisations Liabilities and Trade. 2015.

SINOTÍCIAS2005. Quercus satisfeita. Sapo vídeos. 23 nov. 2005. [Arquivo de vídeo].

SINOTÍCIAS2006. Co-incineração em Setúbal. Sapo vídeos. 30 nov. 2006. [Arquivo de vídeo].

SINOTÍCIAS2006. Co-incineração. Sapo vídeos. 27 fev. 2006. [Arquivo de vídeo].

TVI 24. Fim da coincineração de resíduos em Souselas em suspenso. Tvi 24. 26 set. 2016.

XARÁ, Susana. A incineração de resíduos em Portugal. Debater a Europa, n. 1, pp. 71-75. jun./dez. 2009.

 

30 jun. 2017.