Textos gerais / Selected Readings   (P - Z)

 

 

 

PAeM. Ambiente em Movimento - Linhas do tempo: mundo, Portugal e Portugal minerometalúrgico. Cooperação Centro de Estudos Sociais-CES da Universidade de Coimbra-UC, CETEM-Centro de Tecnologia Mineral, Brasil e Socius, Instituto Superior de Economia e Gestão-ISEG, Universidade Nova de Lisboa-UNL. 2016.

PAeM. Ambiente em Movimento - Mapa dos conflitos ambientais em Portugal: apresentação do projeto. Cooperação Centro de Estudos Sociais-CES, Universidade de Coimbra-UC, Centro de Tecnologia Mineral-CETEM/Brasil, Socius - Instituto Superior de Economia e Gestão-ISEG da Universidade de Lisboa-UL. 2016.

PAeM. Sítio web do projeto Portugal: ambiente em movimento. Cooperação Centro de Estudos Sociais-CES da Universidade de Coimbra-UC, Centro de Tecnologia Mineral-CETEM/Brasil e Socius, Instituto Superior de Economia e Gestão-ISEG da Universidade de Lisboa-UL. 2016.

PAIVA, Cristina. Grassroots environmental action and sustainable development in Portugal. Report of IDF, encontro realizado em 16 de maio. Trabalho apresentado no âmbito do projeto Grassroots environmental action and sustainable development in southern European comunity. DGXII (contrato n. EV5V-CT94-0393). 1998.

PAUTARD, Eric. Le sentiment d’expositionaux risques environnementaux. Chiffres et Statistiques. Paris, Commissariat Général au Développement Durable-CGDD, n. 567. Out. 2014.

PEDRO, Joana de Jesus Colaço. Reassentamentos Forçados: dos Impactes às Oportunidades. Dissertação de mestrado. Escola de Ciências Sociais e Humanas. Departamento de Economia Política do Instituto Universitário de Lisboa-IUL. set. 2011.

PEREIRA, Sara. C. Ecologismo radical em Portugal? Dissertação de mestrado. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas-ISCSP da Universidade Técnica de Lisboa-UTL. 2011.

PEREIRA, Tiago Santos; FONSECA, Paulo F. C.; CARVALHO, António. Carnation atoms? A history of nuclear energy in Portugal. Minerva, a review of Science, Learning and Policy. Springer: Holanda, 2018.

PEV. 30 Anos de lutas ecologistas 1982-2012. Partido Ecologista Os Verdes-PEV. 15 dez. 2012.

PEV. Revisão da Constituição. VII Legislatura. Partido Ecologista Os Verdes-PEV. 1995/1999.

PINTO, Joaquim Ramos. A educação ambiental em Portugal: raízes, protagonistas e principais ações. Educação, sociedade e culturas, n. 21, pp. 151-164. 2001.

PORTO, Marcelo Firpo, PACHECO, Tânia; LEROY, Jean Pierre (org.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil. O mapa dos conflitos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2013.

PREGO, R.; DUARTE, A.; PANTELEICHOUK, A.; SANTOS, T. R. (ed.). Estudos sobre contaminação ambiental na Península Ibérica. Viseu: Instituto Piaget. 2002.

PS. Protest project. Protest survey-PS. 2017.

PÚBLICO. José Carlos Marques: o fundador do movimento ecológico português. Público. 12 mar. 2006

QUEIRÓS, Margarida. O ambiente nas políticas públicas em Portugal. Finisterra, XXXVII, n. 73, pp. 33-59. 2002.

RAINSFORD, Emily; ROOTES, Christopher. Explaining differential protest participation. Protest Survey. S.d.

RAPOSO, Helder. Riscos da coincineração ou coincineração dos riscos? Análise das controvérsias sobre resíduos industriais perigosos. pp. 49-74. In: GONÇALVES, Maria Eduarda; DELICADO, Ana; BASTOS, Cristina; RAPOSO, Helder; DOMINGUES, Mafalda. Os portugueses e os novos riscos. Estudos e Investigações. Imprensa de Ciências Sociais-ICS. 2007.

RECORD. Evaluation et acceptabilitédes risques environnementaux. Méthodes d’évaluation, analysecomparative; etudes sociologiques dês représentations des risques, synthèse bibliographique, n. 04-0810/0811/1ª. Record. 2006.

RODRIGUES, Maria Eugénia. Ciência, públicos e ambiente: o discurso “científico” dos movimentos de protesto ambiental. Sociedade e Cultura, n. 4, Cadernos do Noroeste, série Sociologia, v. 18, n. 1-2. 2002.

RODRIGUES, Maria Eugénia. Movimentos sociais e associativos ambientalistas em Portugal. Centro de Estudos Sociais-CES, Faculdade de Economia-FE da Universidade de Coimbra-UC, set. 1995.

RODRIGUES, Maria Eugénia. Os novos movimentos sociais e o associativismo ambientalista em Portugal. Centro de Estudos Sociais-CES. Oficina do CES, n. 60. Coimbra: Universidade de Coimbra-UC. 1995.

ROOTES, Christopher (ed). Environmental movements: local, national and global. Londres: Routledge. 1999.

RTP. Defesa do Ambiente. O caminho faz-se caminhando. RTP arquivo. 27 fev. 2008. [Arquivo de vídeo].

RTP. Clandestinos Urbanos – Parte I. Ver artes. RTP arquivo. 6 jun. 1996. [Arquivo de vídeo].

RTP. Clandestinos Urbanos – Parte II. Ver artes. RTP arquivo. 4 jul. 1996. [Arquivo de vídeo].

RTP. Presidência Aberta de Mário Soares. 24 horas. RTP arquivo. 4 abr. 1994. [Arquivo de vídeo].

RTP. Portugal: a economia e a história – Dr. Armando de Castro. Ver e pensar. RTP arquivo. 13 jun. 1975. [Arquivo de vídeo].

RTP. Dia mundial do ambiente. Há só uma Terra. RTP arquivo. 5 jun. 1973. [Arquivo de vídeo].

RTP. A Ecologia – I Parte. Ensaio. RTP arquivo. 3 jun. 1972. [Arquivo de vídeo].

RTP. A Ecologia – II Parte. Ensaio. RTP arquivo. 3 jun. 1972. [Arquivo de vídeo].

SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Semear outras soluções. Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto: Afrontamento. 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O estado e o direito na transição pós-moderna. Revista Crítica de Ciências Sociais-RCCS, n. 30, pp. 13-44. 1990.

SANTOS, Boaventura de Sousa; NUNES, João Arriscado. Introduction: democracy, participation and grassroots movements in contemporary Portugal. South European Society and Politics, v. 9, n. 2, pp. 1-15. 2004.

SANTOS, Rui; ANTUNES, Paula; BAPTISTA, Gualter; MATEUS, Pedro; MADRUGA, Luisa. Stakeholder participation in the design of environmental policy mixes. Ecological Economics, v. 60, n. 1, pp. 100-110. nov. 2006.

SAUNDERS, Clare; GRASSO, Maria; OLCESE, Cristiana; RAINSFORD, Emily; ROOTES, Christopher. Explaining differential protest participation novice, returners, repeaters and stalwarts. Protest survey. 2012.

SCHMIDT, Luísa. Ambiente e políticas ambientais: escalas e desajustes. In: VILLAVERDE-CABRAL, M.; WALL, K.; ABOIM, S.; CARREIRA da SILVA, Filipe (orgs.). Itinerários. A investigação nos 25 anos do ICS. pp. 285-314. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais-ICS. 2008.

SCHMIDT, Luísa. País (In)sustentável ambiente e qualidade de vida em Portugal. Lisboa: Novos Rumos. 2007.

SCHMIDT, Luísa. Portugal Ambiental, Casos & Causas. Lisboa: Celta Editora. 1999.

SCHIMDT, Luísa. Consumo bem espremido. Lisboa: GradivaPublicações. 1994.

SCHMIDT, Luísa. O verde, preto no branco. Lisboa: Gradiva Publicações. 1993.

SCHIMDT, Luísa. Portugal, um retrato ambiental - 1. País de contrastes. Youtube. 16 dez. 2013. [Arquivo de vídeo].

SCHIMDT, Luísa. Portugal, um retrato ambiental - 2. Das catástrofes às fontes de energia. Youtube. 16 dez. 2013. [Arquivo de vídeo].

SCHIMDT, Luísa. Portugal, um retrato ambiental - 3. Águas. Youtube. 16 dez. 2013. [Arquivo de vídeo].

SCHIMDT, Luísa. Portugal, um retrato ambiental - 4. Paisagem e desordenamento. Youtube. 16 dez. 2013. [Arquivo de vídeo].

SCHMIDT, Luísa; DELICADO, Ana (orgs.). Ambiente, alterações climáticas, alimentação e energia. Colecção Observatórios ICS 1. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais-ICS. 2014.

SELLERS, Christopher; MELLING, Joseph. Introduction – From dangerous trades to trade in dangers: towardan industrial hazard history of the present. In: SELLERS, Cristopher; MELLING, Joseph (eds.) Dangerous trade. Histories of industrial hazard across a globalization world. Filadélfia: Temple university, pp. 1-13. 2012.

SEMBLANO, Diana. Portugal nuclear: física, tecnologia, medicina e ambiente (1910-2010). Estágio de integração na investigação. Centro de Estudos Sociais-CES da Universidade de Coimbra-UC. 2012.

SERRANO, José. “Homenagem merecidíssima” a Afonso Cautela. Ambaal.pt. 29 mai. 2017.

NUNES, João. Arriscado; MATIAS, Marisa; COSTA; Susana. Risco, incerteza e conflitos ambientais em Portugal. V Congresso Português de Sociologia. Centro de Estudos Sociais-CES, Faculdade de Economia-FE daUniversidade de Coimbra-UC. 2000.

SILVA, Lays Helena; BARCA, Stefania. Capítulo 9 - Trabalho, saúde e ambiente na mineração de amianto no Brasil.pp. 243-268. In: GUIMARÃES, Paulo Eduardo; CEBADA, Juan Diego Pérez (coords.). Conflitos ambientais na indústria mineira e metalúrgica: o passado e o presente. Rio de Janeiro – Évora: CETEM/MCTI. 2016.

SILVA, Pedro Gabriel. Collective mobilization and the social memory of environmental destruction: a methodological and theoretical frame proposal to socio-environmental conflict analysis. In: CABECINHAS, Rosa; ABADIA, Lídia (eds.). Narratives and social memory: theoretical and methodological approaches. Braga: Communication and Society Research Centre. 2012.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato. Raízes do ambientalismo em Portugal. Metamorfoses. Entre o colapso e o desenvolvimento sustentável. Sintra: Publicações Europa-América-PEA. 2005.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato. The Portuguese environmental movement. Universidade de Lisboa. pp. 85-127. In: Environmental activism in society: proceedings of a workshop on the role of environmental activism in society. Environmentalism in 2020. Jan. 1999.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato. O futuro frágil - os desafios da crise global do ambiente. Publicações Europa-América-PEA. 1998.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato. Regressar à Terra. Consciência ecológica e política do ambiente. Lisboa: Fim de Século. 1994.

SUBTIL, Filipa; MATOS, Gisela; GARCIA, José, L.; CONCEIÇÃO, SUSANA. Episódio de conflito ambiental – o caso da Ponte Vasco da Gama. Relatório final, nov. 1998.

SZASZ, Andrew. In praise of policy luddism: strategic lessons from the hazardous waste wars. Capitalism Nature Socialism, v. 2, n. 1, pp. 17-43. 1991.

TAVARES, Bruno Ribeiro. O ambiente e as políticas ambientais em Portugal: contributos para uma abordagem histórica. Dissertação de mestrado da Universidade Aberta-UAb. Jul. 2013.

TEIXEIRA, Luís Humberto. Verdes anos: história do ecologismo em Portugal (1947-2011). Setúbal: Esfera do caos. 2015.

THE FREE ASSOCIATION. Moments of excess: movements, protest and everyday life. Pmpress.org. 2011.

TILLY, Charles. From mobilization to revolution. Boston: Addison-Wesley. 1978.

TILLY, Charles; BLOCKMANS, Wim P. (eds.). Cities and the rise of states in Europe, A. D. 1000 to 1800. Boulder: Westview Press. 1994.

TOXIC BIOS. A guerrilla narrative project. Toxic Bios. 25 jan. 2018.

VALENTE, Sandra Cristina Marques. Sol nunca houve, nem há-de haver. Dissertação de mestrado da Faculdade de Economia-FE da Universidade de Coimbra-UC. 2008.

VASCONCELOS, Lia; FONSECA, S. (coord.). TAIDIS – Cidadania ambiental, informação e participação no contexto da convenção de Aarhus. Lisboa: Editora Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. 2006.

VASCONCELOS, Lia; MARTINHO, Graça. Questões na percepção de conflitos: infra-estruturas de resíduos. Revista de Biologia, n. 16, pp. 295-303. 1998.

VELICU, Irina. Moral versus commercial economies: transylvanian stories. New Political Science, v. 36, pp. 219-237. 2014.

VELICU, Irina. The aesthetic Post-communist subject and the differend of Rosia Montana. Studies in Social Justice, v. 6, n. 1, pp. 125-141. 2012.

VELICU, Irina; KAIKA, Maria. Undoing environmental justice: re-imagining equality in the Rosia Montana anti mining movement. Geoforum, v. 65. 2015.

VIEIRA, Luís Miguel Teixeira. Não violência ativa movimentos ambientais e a mobilização social em Portugal. A não-violência ativa como método de participação social ambiental, estudo de caso–o caso do milho transgénico de Silves. Dissertação de mestrado em Cidadania Ambiental e Participação. Universidade Aberta-UAb de Lisboa. 2011.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI (org.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2010.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; BARROS, Dolarice (org.). Introdução: desenvolvimento, sustentabilidade e conflitos socioambientais. In: A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica. 2005.

 

28 fev. 2018.